.

28 de março de 2016

Carrego nos ombros




Carrego nos ombros
A semente dos horizontes sonhados 
Que planto no céu;

Nos olhos 
Trago a água da esperança 
Da qual a sua transparência 
Reflecte, tanto, a tristeza que se repete 
Como as viagens sucessivas de uma lágrima 
Sobre a terra do meu rosto e que revela o sonho 
De, um dia, tornar-se sorriso;

No peito,
A Lua que levo no coração 
É luar de amor, de desejo e de paixão 
Que acende as flores de sentimento 
Sempre que se roçam, umas nas outras, 
Quando o amor floresce como a melhor estação;

Na alma 
Tenho duas asas soldadas a uma luz 
Que ilumina o meu voo e direcciona-o 
Para aqueles horizontes sonhados que planto 
No céu sempre que uma flor tem a cor do amor.
*RP/ROGERIO CARREIRA*