.

15 de novembro de 2014

Cativo do tempo...amor!


 


Cativo do tempo...amor!

Ah! Este nosso amor louco errante cativo do tempo...
Este tempo que dê-nos uma trégua num momento 
Em que o vento passou... Assim de repente... 

Levando a poeira que restou... Sem nada mais... 
Apenas o que se passou nas minhas lembranças...

E o sol consagra o dia brilhante e eu
entrego-me a flutuar sem vestes... Completamente 
Despida da solidão e das dores... 

Levando comigo só os sonhos a derramar na brisa...
um aroma de rosas eternas de um jardim paradisíaco!

celina vasques