.

12 de novembro de 2013

—SEM MEDO DE AMAR



—SEM MEDO DE AMAR

Meus sonhos acordaram, quebrei as grades que prendia a esperança, desvendei os meus olhos para ver novos horizontes, e pronto para me adaptar a qualquer estação, e nas margens do meu ser a felicidade é o seu afluente, pois se a ilusão vier mando navegar com a desilusão e que elas sejam felizes para sempre, mas bem longe de mim, emergi de águas turbulentas para poder detalhar cada amanhecer, e antes do entardecer velejar nos mares calmos dos melhores sentimentos, sentir o brilho das estrelas em todas as noites, mesmo sabendo que a vida é composta de alegria e tristeza, mas com o alicerce Divino posso regi as melodias que ela me proporciona, e assim seguirei navegando sem medo de amar...


(JAIR LISBOA)