.

4 de novembro de 2013

O tempo cura




O tempo cura

Desvinculei minha alma da tua.
Libertei meu coração das lembranças,
Desabriguei-me dos desejos proibidos,
Dos riscos apenas por mim, vividos.

Acabou-se o vício.... o viço...
Aquele prazer em te pertencer.
Procurei por dentro, aquele desejo insano,
Aquele querer sem tamanho,
A antiga necessidade de você.

E abrindo o peito com minhas próprias mãos,
Para ter certeza da falta daquela antiga emoção,
Dei-me conta de um imenso vazio.
Foi então que nesse instante,
Percebi com alegria, que a falta do teu calor,
Já não me causa aquele frio.

Gil Façanha