.

6 de agosto de 2013

SOBREVIVI



SOBREVIVI

A vida já se me escapou das mãos várias vezes, 
Mas sobrevivi desacordada nas margens do mar.
O som das ondas rasgou-me o silêncio
E o meu acordar importa agora a frescura marinha
No amor que vai crescendo dentro de mim.
Este cheiro a algas inebriante, ficará marcado na minha pele,
Saciando-me o doce vício do beijo que a areia trás,
Reinventando-me na minha forma sensível de amar.

Celeste Leite