.

14 de julho de 2013

Teu desprezo!




Teu desprezo!

Quis dar-te meus sinais de vida
Não o fiz para cair a teus pés
talvez fiz o que não devia
dar ouvidos à minha alma outra vez!

Um impulso sem pensar
que agora não quero tragar
a angustia que deu no meu peito!

Mas já o mal eu tinha feito
e agora porquê recordar?

Não quero que me reproves
e nem penses que te abordei
por ser inconsciente ou louca
porque da minha alma só eu sei!

Se é justo para ti o despr ezo
e pensares que o aceitei
talvez teu coração tão difuso
que agora o meu deixas-te confuso
nunca foi puro
ao deixar-te assim tão seguro
por pensares que na tua mão
tinhas o meu!

Maria Morais de Sa