.

2 de março de 2012

Não tenho medo...

Não tenho medo...

Não tenho medo da vida,
Aprendi a vivê-la como ela é de fato
Isso deixa tudo mais leve
Descomplica, me faz relaxar um pouco

Não tenho medo do futuro,
Pois ele será daqui a um segundo
E esse segundo vivido, será ontem,
Ou talvez esse segundo nem chegue,
E então, o que é mesmo o futuro?

Não tenho medo de amar,
Só assim posso ser livre
Só assim posso ser preso
Só amando, posso “Ser”...

Não tenho medo da morte,
Para mim ela não existe,
Tenho medo é de não viver...
De prender-me a um futuro incerto,
E deixar de Amar...

Fúlvio Ribeiro.