.

29 de novembro de 2011

“Um dia de cada vez...” - Soneto


“Um dia de cada vez...” - Soneto

São bocados de lembranças atadas ao tempo
Que parecem não ter forma, ambiente, sequer cor.
Ensurdeço nesta ânsia de atrasar o tal momento
Desejo uterino de ouvir o pulsar, sentir o calor.

Nossos opostos acumulados eram emoção e razão
Feitas da mesma matéria éramos causa e efeito.
Hoje meu olhar vaga, nada assimila com exatidão.
É meu coração pulsando, agora fora do peito.

E fica uma sensação de busca interminável
Parece esquina errada, assunto mal acabado.
Hoje, metade de mim domina a dor implacável.
E a outra metade abraça um ser fragmentado.

Munida de força e fé, sobrevivo com altivez.
Sustentando esta saudade, um dia de cada vez.

Glória Salles