.

7 de outubro de 2010

BERENICE B. FERNANDES: A COMENDADORA DA ARTE


Nasceu na cidade do Crato – Ce, onde passou a sua infância e parte da adolescência. Reside no Rio de Janeiro desde 1981 .

Iniciou sua trajetória nas Artes Plásticas em 1977 na cidade de Salvador-BA, onde residiu.

Desde o início definiu seu estilo naïf de pintar, encontrando na arte ingênua uma forma de expressar os seus sonhos marcados pela exuberância de cores e criatividade.

No Museu de Arte Moderna fez vários cursos, dentre os quais o de “Análise e Crítica da Obra de Arte”. Tem formação em Arte Terapia.

Realizou centenas de exposições no Brasil e exterior, incluindo individuais, coletivas, Bienais e Salões de Artes Plásticas, fazendo jus a várias premiações.

Ilustrou com as suas obras inúmeros livros e revistas de arte, cartões de telefone e Tele listas de várias cidades no Brasil. Escreve sobre arte e cultura no Jornal o Rebate, onde tem um Blogspot e participa de várias revistas de poesias. Faz parte do site dos Poetas Del Mundo, onde tem como missão difundir a Paz mundial.

Presta serviços e pintura de arte e adereços na construção de cenário para Rede Globo de televisão.

A tendência poética dos seus pincéis manifestou-se na temática sobre a Amazônia, vindo mais tarde a expressar estes sonhos em forma de poemas.

Membro Correspondente Titular da “Academia de Letras da Mantiqueira”, passando a ocupar a cadeira de número 56 patronímica de Henri Julien Felix Rosseau.

E também membro correspondente da AILA- Academia Itapirense de Letras e Artes.

Dentre as inúmeras condecorações recebidas destaca-se – Federação das Academias de Letras e Artes do Estado de São Paulo: No ano de 2007 e 2008 foi condecorada com a insígnia da Medalha do Mérito Humanitário “Nise da Silveira” e “Maria Quitéria”,
.
Em 2009 recebeu a Comenda “Mérito Presidente JK (Jucelino Kubtischek) a título de Dama Comendadora. Recebeu Comenda de Mérito Cultural “Anita Garibalde” e medalha do Mérito “Dragões Reais das Minas concedida pela Academia Militar de História Militar Terrestre do Brasil e FALASP.

Recebeu também Moção de Congratulação e Louvor da Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

Laureada pela Société Academiqué de Arts, Sciencs et Lettres de Paris- França – “Medaille Dargent” em 2009.

Na cidade de Taubaté – SP, foi homenageada com “Diploma de Honra” pela Coluna Destaque Raimundo Nonato no evento “Essas Mulheres Maravilhosas” e no evento“Destaque Brasil 2009” recebeu diploma de “Honra ao Mérito” como reconhecimento profissional e por sua atuação com ética e competência no exercício de sua atividade e destacada participação com êxito e sucesso em 2009.


Exposicões - Individuais

Galeria Praiamar , “Bahia Origens e Tradições” Salvador – BA 1979

Galeria da UNESP, “Pintura naïf” São Paulo 1983

Galeria Sunshine restaurante,”Pinturas da Berenice” –Rio de Janeiro 1985

Galeria do Clube Militar, “Seres da natureza” – Rio de Janeiro 1992

Fluminense Futebol Clube – “Primavera na arte naïf”- Rio de Janeiro 1993

Museu Nacional de Belas Artes-“ Misteriosa Amazônia” - Rio 2003

MIAN-Museu Internaciona de Arte Naïf – Brasil, paraíso tropical - Rio 2004

Rioshopping, “Sonhos de uma pintora Naïf ” Rio 2008

Bienais

IV Bienal internacional de Pintura em Cuenca - Equador - 1994

I Bienal internacional de arte contemporânea - Rio de Janeiro - 1983

II Bienal do Círculo Militar de São Paulo - 1980



Exposições Internacionais

Exposições de Artistas Latinos - Espanha – 2008

Paixões de criança - Broward Center – Fort Lauderdale – Flórida – USA 2003

Jouer avec les couleurs – Le Sport á travers yeux des naïfs brésiliens Lausanne– Suiça 2001

Mail Art Show 2000 – Univercidade de Toledo - Ohio – USA – 00
Conferência de Culturas –“Naïfs Brasileiros de Hoje” - Frankfurt – Alemanha 1994

Portugal - Sociedade de Belas Artes de Lisboa, Lisboa- Portugal 1985

Casa dos Crivos – Braga – Portugal - 1985

Exposições em Museus

Museu da Cidade – Rio de Janeiro 2002

Museé Olympique de Lausanne - Lausane - Suiça 2001

Museu Internacional de Arte Naïf – MIAN - Rio de Janeiro 2000

Museu Nacional Belas Artes- Rio de Janeiro 1981

Museu de Arte Moderna – Rio de Janeiro 1985

Museu de Arte Primitiva - Assis - SP - 1984

Museu da Aeronáutica – São Paulo –1981

Museu de Marília – Marília – SP - 1980

Museu de Arte da Bahia- Salvador – BA 1978


Algumas exposiçõe coletivas nacionais

Casa da República- Clube Militar- Rio de Janeiro 2009

Galeria vitrine da Caixa Cultural – Brasília – DF 2007

Galeria TNT (acervo) Rio de Janeiro 2006

Galeria do Espaço Cultural Pedro II – Rio de Janeiro 2006

Galeria do Espaço Cultural Estácio Rio de Janeiro 2007

Galeria do Centro Cultural Suassuna – Rio de Janeiro 2006

Artesofitel- Hotel Sofitel e MIAN – Rio de Janeiro 2006

Galeria Cândido Portinari – Rio de Janeiro 2004

Biblioteca de Botafogo – rio de Janeiro 2003

Galeria Brasil Naïf Arte – Rio de Janeiro 2001

Galeria Gourmet – Rio de Janeiro 2002

Galeria do New York City Center- Rio de Janeiro 2002

Galeria da AABB da Lagoa – Rio de Janeiro 2001

Galeria Barra Point – Rio de Janeiro 2000

Galeria Atualidade Rio de Janeiro 1999

Espaço Galeria – Rio de Janeiro 1998

Galeria Vila Riso - Rio de Janeiro 1997 - 98

Galeria Vila Formosa – Rio de Janeiro 1997

Galeria da Universidade Estácio de Sá - Rio de Janeiro 1997

Instituto Brasil Europa – Rio de Janeiro 1997

Espaço Cultural Ícone – São Paulo 1996

Galeria das Conchas – Búzios - RJ 1995

Casa de Portugal – São Paulo 1994

Galeria do Hotel Nacional – Rio de Janeiro 1992

Galeria da Caixa Econômica Federal - Rio de Janeiro 1992,93

Galeria Jean Jaques – Rio de Janeiro 1981, 84, 88, 90

Câmara Municipal – Rio de Janeiro 1988

Galeria Vidarte – São Paulo 1983, 84

Sociedade Brasileira de Belas Artes – Rio de Janeiro 1983

Galeria do Hotel Meridien – Rio de Janeiro 1983

Galeria Riza – Rio de Janeiro 1982

Academia Brasileira de Letras – Rio de Janeiro 1982

Galeria Hotel Brasilton – São Paulo 1982

Galeria Holiday In Hotel – São Paulo 1982

Associação Paulista de Magistrado – São Paulo 1982

Galeria de Arte Brasileira – São Paulo 1981

Galeria Bric a Brac – São Paulo 1981

Galeria Presença e Arte – São Paulo - SP 1981

Clube de Gamão – São Paulo – São Paulo - SP 1981

TV Gazeta – exposição em Cenário – São Paulo – SP 1981

Restaurante Rubayat – São Paulo - SP 1981

Clube de Campo Mariporã – São Paulo - SP 1981

Galeria Parque Avenida – São Paulo – SP 1981

Galeria Bandeirante – São Paulo - SP 1980

Galeria Cravo e Canela – São Paulo – SP 1980

Galeria Panorama – Salvador – Ba - 1979

Galeria Portas do Carmo – Salvador - BA 1978

Galeria O Cavalete – Salvador – Ba 1978 , 77


Premiações e participações em Salões Internacionais , Nacionais e Regionais

Troféu Destaque Nacional – 120 anos da Proclamação da República – Academia Brasileira de Arte, Cultura e História - Rio de Janeiro - 2009

Academia de Arte, Ciencias e Letras de Paris “Medalha de Prata” Paris – França – 2009
Honra ao Mérito – Coluna Destaque – Taubaté-RJ – 2009

1º Salão de Artes Plásticas da Administração Estadual do Flamengo “Menção Honrosa “ Rio de Janeiro 2005

I Salão de Artes Plástica Genário de Carvalho Salvador - Ba 1983

I Salão Nacional de Artes Plástica da União Nacional dos Artistas Plásticos de São Paulo - São Paulo 1983

Salão Internacional dos Premiados na I BIAC “Medalha de Prata” Rio de Janeiro 1983

I Bienal Internacional de Arte Contemporânea “Menção Especial” Rio de Janeiro 1983

I Salão de Artes Plásticas do Ministério da Aeronáutica, Participação - Rio de Janeiro 1982

I Salão de Artes Plástica Academia Brasileira de Letras ABD “Menção Especial” Rio de Janeiro 1982

I e II Salão de Artes Plástica Brigadeiro Eduardo Gomes “Medalha de Bronze” e “Participação” São Paulo 1982 - 83

I Gincana na Casa dos Artistas
“Menção Honrosa” Rio de Janeiro 1982

I Salão de Artes Plástica Francisco Moacir Bastos “Medalha de Bronze” – Rio de Janeiro 1982

I Salão de Artes Plástica Feminino “Medalha de Prata” São Paulo – SP 1982

IV Salão Nacional de Artes Plástica de Itú – “Mérito Artístico”
Itú - SP 1981

I SNAP – Salão Nacional de Artes Plásticas Pablo Picasso “ Menção Honrosa” São Paulo – SP 1981

I Salão de Artes Plástica da Associação Brasileira de Belas Artes e XXII RA “Medalha de Bronze “ Rio de Janeiro 1981

V e VII Salão de Artes Plástica da cidade de Araras Menção Honrosa e Participação - Araras – SP 1980

V Salão Nacional de Artes Plásticas de Matão “Grande Medalha de Prata” Matão – SP 1980

Salão Nacional de Artes Plástica Alberto Santos Dumont – Menção Honrosa, Medalha de Ouro, Medalha de Bronze e Participação - São Paulo – SP - 1980 - 81 - 82- 83

Ilustrações - Livros e dicionários

Brasil Lendário – Autora Professora Fátima Miguez – Literatura infantil - Editora DCL ilustrações obras “Boto rosa” Banho das icamiabas” e Negrinho Pastoreio. Rio mde Janeiro – 2009

Política Democrática –Revista de Política e Cultura – Fundação Astrogildo Pereira - Ano VI nº 20 – Brasília – DF - 2008 – ilustrações coloridas na capa – obra “Rede de dormir”, Contra capa – obras “Araras azuis” “ O jacaré ”, “ Amazônia” “Banho no igarapé” ilustrações em preto e branco em cada capítulo . Texto sobre a capa.

Geografia – “Nas trilhas do Pará” de Eliana Santanna, Graça Castro e Maria da Conceição Lemos – Ensino Funfamental – Editora – FTD S/A – foto da obra “Rede de dormir” (a ser lançado) Pará - 2008

Brasil Lendário – Autora Professora Fátima Miguez – Literatura infantil - Editora DCL ilustrações obras “Boto rosa” Banho das icamiabas” e Negrinho Pastoreio. Rio mde Janeiro – 2009

Livro Língua Portuguesa – Segunda Série - Ensino Fundamental Professora Claudia Cavalcante Pereira e Cristiane Tavares ed. Brasília: CIB – Cisbrasil, 2005 - 336 p. (coleção SER, FL 2A) II Rede Salesiana de Escolas. São Paulo 2005 - Português

Comunicação e Política CEBELA Centro Brasileiro de Estudos Latino - Americano nº 1, nova série Janeiro - Abril , Ilustra capa – Rio de Janeiro 2002 Espanhol e Português

Le Esport átravers les yeux des naïfs brésilien Lucien Finkelstein - Lausanne – Suiça 2001 - Françês e Inglês 4 ilustrações

Brasil Naïf - Arte Naïf Testemunho e Patrimônio da Humanidade Lucien Finkelstein – Rio de Janeiro – RJ 2001 Novas Direções – Inglês e Português - Ilustração "Boto-cor-de-rosa"

“Naïfs Brasileiros de Hoje” Lucien Finkelstein - Câmara Brasileira do Livro Frankfurt - Alemanha -1994 Alemão, Inglês e Português - 2 ilustrações e texto

Livro Catálogo da IV Bienal Internacional de Cuenca - Cuenca – Equador 1994 - Espanhol e Português-ilustração e texto

"Comércio Tema na Arte Brasileira" - SENAC – Rio de Janeiro- RJ 1985 - Português-ilustração e texto

Três Dias no Paraíso - Ângelo Reis - Ilust. Capa – Rio de Janeiro 1982

Dicionário – Artes Plásticas Brasil - Júlio Louzada

Ilustração capa das Telelistas 2007 e 2008 do Acre, Salvador, Minas Gerais e Porto Alegre

Ilustração de cartões de Telefone Série Brasil 500 anos – 5 cartões

A intensidade das cores
Quando se pensa na Amazônia, a primeira imagem que costuma vir à mente é a de imensas árvores alinhadas com predomínio da cor verde ou a de rios caudalosos com cores muitas vezes barrentas. Há outros ainda que vão se recordar da fauna, principalmente das aves maravilhosas que encantam pelas suas infinitas tonalidades.

As pinturas da artista plástica Berenic (nome artístico de Berenice Barreto, também conhecida como Beré) fogem a esses lugares comuns. Elas conseguem construir locais paradisíacos em que o universo de cores surpreende e se torna a sua marca registrada. A explosão imagética nos leva a uma Amazônia muito pessoal, marcada pela exuberância e pela multiplicidade.

Não se pense, porém, que se instaura um caos visual.

As paisagens amazônicas e as telas de Berenic seguem uma ordem interna, em que ocorre a manifestação quase divina de um universo em que as cores se articulam em nome de uma mensagem de harmonia.

Azuis, vermelhos e amarelos compõem um caleidoscópio de sensações de uma artista naïf sempre pronta a nos oferecer uma nova possibilidade interpretativa daquilo que a realidade oferece. Em seu trabalho, não há mais limites a ameaçar a nossa imaginação, mas o estímulo à capacidade de mergulhar no desconhecido.

Berenic chegou a esse estágio em suas criações após uma interessante trajetória. Ela nasceu em Crato, CE, onde passou a infância e parte da adolescência. Desde criança gostava de desenhar e trocava a oportunidade de brincar no pátio pelo prazer de desenhar figuras no quadro negro.

Esse amor à arte já vinha de maneira forte do lado materno, pois a avô fazia crochê e a mãe costurava, bordava e pintava em tecido, sendo professora de artesanato. Aos 12 anos, foi passar férias em Salvador (BA) e passou um ano na casa dos tios. Depois, voltou a sua cidade natal, onde concluiu o primário, mas, impressionada com o mundo da arte da Bahia, decidiu seguir os estudos em Salvador.

Ali, com o tio Pedroso, conhecido artista naïf, começou a visitar museus e galerias, conhecendo as festas folclóricas locais. Posteriormente, Berenic fez curso de formação em Arteterapia, trabalhou como secretária, teve filhos e realizou cursos de tapeçaria e artesanato. A arte não a deixava, manifestando-se das formas mais corria quando, já adulta, usava lápis de cor das crianças para rabiscar desenhos.

Vendo aquele talento para arte sendo desperdiçado, Pedroso presenteou Berenic com tintas e pincéis e a estimulou a passar aquelas imagens para a tela. Para surpresa dela, os primeiros quadros foram logo vendidos na loja do tio e começaram a surgir convites para exposições.

Berenic realizou a sua primeira individual em 1979, mesmo ano em que se mudou para São Paulo, onde morou por dois anos. Depois, foi para o Rio de Janeiro, onde deu vazão a temáticas como folclore e a paisagens paradisíacas e coloridas onde vasos de cerâmica ganhavam destaque.

Após freqüentar cursos no Museu de Arte Moderna/RJ em que buscou entender mais a análise e a crítica da obra de arte, história da arte e arte contemporânea, chegou a pintar imagens de interiores de casas. Sua nova fase, voltada para a temática indígena, porém, iniciou-se em 1982, quando foi uma das artistas naïfs convidadas a participar de uma exposição no Museu nacional de Belas Artes/RJ, que tinha como proposta levar os participantes a recriar a visão da primeira missa da tela clássica de Victor Meireles.

Foi despertado então o desejo de conhecer melhor o mundo indígena, principalmente as suas legendas, mais precisamente as localizadas na exuberância da Amazônia. Uma das primeiras telas sobre o assunto foi sobre o boto cor-de-rosa. Seguiram-se outras imagens amazônicas, que hoje integram acervos no Brasil, França, Canadá, Itália, Japão e EUA.

O universo que Berenic nos faz deslumbrar é o do poder da arte de estabelecer uma nova realidade. A Amazônia que ela apresenta em suas telas é própria, fantástica e transcendente por brotar da capacidade criativa e pictórica de uma autodidata que não conhece a região pessoalmente, mas é capaz de captar o seu espírito ancestral e presente com sua sensibilidade de artista autodidata e exímia colorista.

Oscar DAmbrosio, jornalista, mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da UNESP, integra a Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA-Seção Brasil) e é autor, entre outros, Contando a arte de Petico (Noovha América) e Os pincéis de Deus: vida e obra do pintor naïf Waldomiro de Deus (Editora Unesp e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo).

Amazônia Misteriosa
Berenic traz na pele o sol quente da sua terra. E estampa no rosto bonito os traços de Iracema, ancestral mítca das pessoas do seu país. Sobre tudo a minha amiga Berenic traz na ponta dos pincéis a criatividade da mulher Brasileira.

Comprava isso a última exposição realizada pela artista, voltada para a representação pictórica de lendas indígenas da Amazônia. De uma delicadeza sem fim.

Impossível não se encantar com ela. Profusão de flores, árvores, folhas, cores – todo o esplendor da floresta. Há algo de Botticelli, de realmente maravilhoso em sua obra. Se o mestre toscano tivesse conhecido a Amazônia provavelmente teria pintado uma Primavera tropical. Ele teria feito tudo exatamente como Berenic.

Ivan Alves Filho
Professor, jornalista e escritor de 10 livros e autor do documentário “Brasileiros e militantes”

Trechos de Criticas
“Berenic gosta de pintar lendas brasileiras, com um pincel refinado, de cores tênues, nas quais parece pintar um mistério impregnado de poesia”. Lucien FinKelstein, Fundador e presidente do MIAN – Museu Iternacional de Arte Naïf , no seu último livro “Brasil Naïf”. Rio 02

“Seu conhecimento adquirido na pesquisa enriquece seu trabalho, porém o mais importante é a sua originalidade de expressão” Fernando Durão, crítico de arte – São Paulo

“Com evidente sensibilidade e talento, Berenic propõe uma pintura ingênua, onde o colorido e uma predominância de linhas simplificadas criam um mundo alheio a dramática existencial do homem contemporâneo. Wilson Rocha, crítico de arte e poeta, Salvador – Ba.

“Do seu pincel inspirado brotam as amazonas, o boto-cor-de-rosa, os mitos indígenas de criação do mundo, aulas de sabedoria naïf dos primeiros habitantes do Brasil. Penetre no mundo encantado das telas de Berenic e conheça o paraíso recriado pelos seus pincéise, e assim descubra um Brasil de cores vibrantes e lendas originais.” Mariza Campos da Paz – jornalista e Vice-presidente da Fundação Lucien Finkelstein.

“A poética da pintura de Berenic expressa a sua grande fé existencial. As flores e aves exóticas de suas telas, numa miríade de cores, lembram antigas tapeçarias orientais. Helena Barbosa prof. de arte e artista plástica.

http://www.sabercultural.com/template/ArteBrasilPintores/Berenic1.html
http://www.sabercultural.com.br/template/ArteBrasilPintores/Berenic2.html
http://www.sabercultural.com.br/template/ArteBrasilPintores/Berenic3.html
http://www.yvettedefrance.com/puzz_enf/enf-2009/enf/peintures.htm
http://www.beearte.com/naif/nac/berenicebarreto/berenice.htm
http://www.poetasdelmundo.com/verinfo_america.asp?id=3204
http://berenicfernandes.blogspot.com/
http://gacetaliterariavirtual.blogspot.com/2008/11/imgenes-pinturas-berenice-barreto.html
http://orebate-berenicfernandes.blogspot.com/